E se a crise bater na porta?

Trabalhamos na área de comunicação e marketing há anos e temos observado como as empresas de pequeno e médio porte reduzem investimentos em marketing e divulgação em tempos de crise. Mas será que essa é uma boa estratégia? Segundo especialistas da área, a resposta é NÃO. Afinal, nesses momentos se torna fundamental observar como o […]
Tempo de leitura: < 1 minuto

 

crise

 

Trabalhamos na área de comunicação e marketing há anos e temos observado como as empresas de pequeno e médio porte reduzem investimentos em marketing e divulgação em tempos de crise. Mas será que essa é uma boa estratégia?

Segundo especialistas da área, a resposta é NÃO. Afinal, nesses momentos se torna fundamental observar como o consumidor vai reagir à conjuntura econômica e aproveitar as oportunidades que surgem. Afinal, apesar da recessão, as pessoas não deixam de consumir; apenas ajustam melhor o orçamento, priorizando alguns produtos e serviços em detrimento de outros.

Rosival Fagundes, em uma matéria para o Portal Administradores, afirma que “em tempos de crise, o empresário varejista tem a oportunidade de oferecer produtos populares para as classe C, D e E”. Afinal, com a redução da pobreza como resultado dos programas sociais, houve ascensão da classe D para a C e esta se tornou a maior parte da população. Assim, para os produtos populares, a crise vira uma grande oportunidade.

Crise também significa a possibilidade de reinventar-se. Algumas organizações tornam-se mais fortes, inclusive. E, claro, nem todos perdem. Então, fica a dica: ao invés de focar no problema, mantenha-se antenado nas soluções!

“Acabemos de uma vez com a única crise ameaçadora, que é a tragédia de não querer lutar para superá-la.” Albert Einstein.

Compartilhe esse conteúdo!