Saiba como seu negócio pode se beneficiar com a economia colaborativa

Tempo de leitura: 4 minutos
Economia Colaborativa

Recentemente, a Uber – uma das principais empresas vistas como exemplo de economia colaborativa atualmente – lançou uma nova iniciativa em Belo Horizonte, o Uber Juntos. Se trata de uma nova forma de solicitar viagens de carro em que o usuário divide o espaço do veículo com outras pessoas que estejam indo para uma direção em comum.

Iniciativas de economia colaborativa como esta tem sido bastante disseminadas a nível mundial. São diversos os benefícios que um empreendimento pode aproveitar apostando nessa tendência. Essa linha de pensamento atinge positivamente não só o negócio, mas a comunidade e o ambiente em que está inserido.

Responsabilidade social: Como profissionais e marcas devem agir frente a polêmicas digitais?

Quer entender o contexto de impacto socioambiental em que surgiu essa nova tendência, e saber quais são as suas premissas? Fique atento a seguir! Você também irá conhecer exemplos de iniciativas nessa linha que existem hoje e adquirir dicas para aplicá-la no seu negócio.

Por que pensar sobre economia colaborativa?

Para introduzir e contextualizar o surgimento da economia colaborativa, vamos citar informações impactantes apresentadas no documentário The True Cost, disponível na Netflix. De acordo com a pesquisa apresentada, hoje nós compramos mais de 80 bilhões de peças de roupas por ano. O que significa 400% mais do que comprávamos há 20 anos atrás.

Um das indústrias que mais representa o consumo excessivo é indústria da moda. As marcas de fast fashion produzem roupas descartáveis a baixíssimo custo em países subdesenvolvidos. Estes, por sua vez, sofrem altos níveis de impacto social. Ou seja, salários e condições desumanas de ambiente de trabalho.

Porque a diversidade deve fazer parte da minha estratégia?

Ao mesmo tempo, a indústria e a população mundial descartam quantidades exorbitantes de resíduos e produtos. O documentário, realizado por Andrew Morgan, apresenta que um americano comum joga fora quase 38 quilos de lixo têxtil por ano. Os EUA, individualmente, chegam a descartar mais de 11 milhões de toneladas de lixo têxtil que, em sua maioria, não é biodegradável.

Além disso, o número de resíduo têxtil descartado tem aumentado disparadamente nos últimos 10 anos. E, claro, não é preciso relembrar que esse comportamento prejudica tanto as comunidades locais quanto o meio ambiente.

O que é economia colaborativa?

A economia colaborativa é um modelo alternativo de produção e consumo que nasceu em meio a esta cultura de excessos. Seu intuito é substituir o acúmulo e o consumismo extremo. Por esse motivo, pessoas e negócios que investem na colaboração se encontram intimamente conectados com a conscientização do consumo.

Com essa vontade de inovar, surge a necessidade de dividir recursos, para que um estilo de vida possa ser mantido sem a necessidade desses excessos. Sendo assim, a economia colaborativa parte do princípio da colaboração, ou seja, uma espécie de crowdsourcing.

Bons amigos, bons negócios

Esse princípio já vem sendo utilizado por pessoas em seu dia a dia. Do ponto de vista dos consumidores, essa atitude está conectada com seus hábitos e seu nível de responsabilidade socioambiental. O simples fato de compartilhar peças de roupas com amigos, por exemplo, ou seguir  a linha do slow fashion e comprar em brechós, é uma forma de cooperação. Mas e quanto às empresas?

A idéia é não só consumir, mas também produzir de forma sustentável, utilizando a cooperação como ferramenta principal. Do ponto de vista dos negócios, a economia colaborativa propõe que o lucro precisa deixar de ser obtido às custas de causar um impacto socioambiental negativo.

Essa reflexão sobre a necessidade de negócios não focarem cegamente em aumentar seu lucro também é tratada em The True Cost. No documentário, o especialista em economia, Richard Wolff, ressalta a importância do surgimento de alternativas que visem fugir dessa mentalidade. A economia colaborativa tem se provado uma boa saída a nível mundial.  

Como ela tem sido empregada na prática?

Existem alguns exemplos de economia colaborativa que já são bastante conhecidos, e que você provavelmente já utilizou. Por exemplo, o Airbnb, que permite que pessoas aluguem ou disponibilizem uma cama, um quarto ou um imóvel por variados prazos.

Em BH, a capital mineira, existem diversas outras iniciativas além da chegada do Uber Juntos. Conheça algumas:

  • Guaja: café e coworking que se torna bar e hamburgueria na hora do happy hour. Funciona como um hub criativo para profissionais e empreendedores;
  • Allugator: plataforma de aluguel de produtos como videogames, câmeras, caixas de som, barracas, etc;
  • Shippify: plataforma de logística de entrega para empresas que conta com bicicletas, carros, motos e vans;
  • Armário Compartilhado: loja que oferece aluguel de vestidos de festa cedidos pelas próprias clientes.
  • Mooca: marketplace colaborativo que realiza aceleração de negócios de pequenos produtores locais.

Como aplicar a economia colaborativa no meu negócio?

A economia colaborativa não se configura apenas como um nicho ou uma pequena tendência. De acordo com profissional da área de Marketing,Tx Zhuo, ela é o futuro, e pode chegar a alcançar o valor de 335 bilhões de dólares em 2025.

Confira a seguir algumas dicas dadas por ele em seu artigo para a Entrepreneur para se alinhar a esse modelo.

  1. Possua menos funcionários permanentes e busque parceiros para realizar as atividades não essenciais;
  2. faça parcerias com serviços que possam complementar o que você oferece;
  3. invista em uma relação positiva e na criação de confiança tanto com os seus clientes quanto com seus parceiros para garantir valor a longo prazo;
  4. invista em ferramentas, nas competências e na autonomia de seus colaboradores para provocar satisfação e aumentar a qualidade do que você oferece.

Com essa leitura, você conhece agora um dos modelos econômicos mais promissores para o futuro. Além disso pôde absorver insights, exemplos e dicas práticas para entender, refletir e colocar em ação atitudes que levem esse conhecimento em conta.

Continue se inteirando sobre as atualidades do universo empreendedor. Confira agora mesmo esse conteúdo sobre gestão de marketing em meio às instabilidades do mundo dos negócios!

Compartilhe esse conteúdo!